Gamereactor PT. Vejam os últimos trailers e entrevistas a partir das maiores convenções de videojogos de todo o mundo. O Gamereactor utiliza cookies para assegurar que lhe proporciona a melhor experiência possível no nosso site. Se continuar, vamos presumir que está satisfeito com a nossa política relativa a cookies.

Português
Gamereactor
análises
Crisis Core: Final Fantasy VII - Reunion

Crisis Core: Final Fantasy VII - Reunion

Zack Fair foi libertado de sua prisão PSP em uma versão remasterizada de Crisis Core: Final Fantasy VII que é maior, mais bonita e apenas um pouco desatualizada.

HQ

As apostas eram enormes quando Final Fantasy VII: Remake foi lançado em 2020, onde o antigo clássico havia sido reconstruído do zero com toda a pompa, glória e estilos de cabelo espetados que apenas a Square Enix pode oferecer. O resultado foi principalmente positivo, mas alguns de nós (eu incluído) sentimos que a história original havia sido adulterada demais, resultando em uma re-imaginação em vez de um remake do original Final Fantasy VII onde as liberdades criativas tomadas nem sempre beneficiaram a história.

Apesar de algumas críticas com a narrativa, é difícil argumentar contra os belos visuais do jogo, o som suave com música bonita e ótima dublagem (as versões japonesa e inglesa merecem elogios) e o sistema de combate repleto de ação. Embora o último fosse mais moderno, também parecia um pouco inspirado pelo sistema de combate em Crisis Core: Final Fantasy VII, a prequela lançada para PlayStation Portable em 2007. O sonho de uma versão atualizada de Crisis Core com o mesmo combate e visuais de Final Fantasy VII: Remake começou a aparecer, mas, infelizmente, o sonho parecia exagerado demais. Crisis Core é notório por ser um jogo exclusivo de console no PSP sem sequer uma versão digital disponível, e porque o vilão do jogo Genesis foi modelado após o músico japonês Gackt (com toda a papelada que deve envolver), o jogo parecia estar preso no limbo da licença para sempre.

No entanto, Odin, Bahamut e Fat Chocobo sejam louvados, pois eles ouviram nossas orações! Dois anos e meio depois que os olhos do mundo estavam mais uma vez focados em Cloud, Tifa e Sephiroth, finalmente chegou a hora do maior SOLDIER 1st Class do mundo, Zack Fair, fazer seu retorno. A prequela de Final Fantasy VII finalmente se libertou de seu cativeiro para PSP, e agora todos podem desfrutar de uma nova visão do jogo de 2007 - para o bem ou para o mal.

Crisis Core: Final Fantasy VII - Reunion
Publicidade:

A principal atração aqui é a narrativa, e se você está entre aqueles que não gostaram de como Final Fantasy VII: Remake brincou com seu material de origem, tenho o prazer de informar que esta é uma reiteração fiel da história original. Aqui somos contados a história de Zack Fair, um aspirante a super soldado da mega corporação Shinra com um impulso insaciável para chegar ao topo e se tornar um herói como seu próprio modelo, Sephiroth. Seguimos Zack ao longo de sete anos, trazendo-nos de seus dias de aprendiz até a cena de abertura de Final Fantasy VII, onde várias verdades sombrias sobre a Shinra e seu programa SOLDIER vêm à tona e nos apresentam um olhar estendido sobre o folclore de fundo para a aventura de Cloud.

A história do jogo cobre pontos centrais da saga Final Fantasy VII, e certas partes do remake podem até ser difíceis de entender, a menos que você tenha jogado o Final Fantasy VII original e o Crisis Core. Este remaster abre as portas para que mais jogadores desfrutem da história, mas o principal motivo de celebração é porque esta pode ser a melhor história da compilação Final Fantasy VII. A maior parte do crédito é devido a Zack, que é um personagem tão simpático com sua atitude excessivamente confiante e espírito inquebrável, tornando muito mais fácil se familiarizar com ele do que o mopey e quieto Cloud. Os personagens coadjuvantes também são em sua maioria ótimos, tanto os exclusivos deste jogo quanto os personagens que conhecemos do resto da saga. Nem todos os personagens envelheceram bem, especialmente o pomposo Gênesis que adora nada mais do que citar seu épico favorito Loveless toda vez que você se encontra, mas na maior parte da parte a história manteve seu impacto dramático com muitos momentos emocionais. Se você tem o menor interesse no universo de Final Fantasy VII, você deve considerar isso como uma parte obrigatória do currículo.

Crisis Core: Final Fantasy VII - ReunionCrisis Core: Final Fantasy VII - Reunion

Uma das razões pelas quais a história permanece praticamente inalterada é porque este é um remaster, em vez de um remake completo. No entanto, a Square Enix fez muito mais do que apenas aumentar a resolução antes de republicar o jogo em novas plataformas. Para descrever sua abordagem para este lançamento, imagine um conjunto de Lego onde alguém pegou a construção antiga, removeu os tijolos antigos que perderam toda a sua faísca e cor e, em seguida, reconstruiu todo o conjunto a partir das mesmas instruções enquanto usava tijolos novos e muito mais detalhados. As principais mecânicas de jogabilidade são mantidas neste remaster, mas o jogo ostenta áudio novo, visuais massivamente melhorados e um sistema de combate remodelado, o que aproxima o jogo do nível Final Fantasy VII: Remake. Na verdade, este jogo está em algum lugar entre um simples remaster e um remake completo, semelhante a Nier Replicant ver. 1.22474487139. Você reconhecerá onde está se já esteve aqui antes, mas não demora muito para perceber o quanto foi alterado com esta nova versão.

Publicidade:

O resultado final é um jogo adaptado para plataformas modernas, parecendo especialmente bonito em hardware mais recente, como o PS5. Os modelos de personagens são extremamente detalhados, os efeitos de iluminação são saturados e quentes, e os reflexos vistos em mármore e asfalto são bastante impressionantes. Os ambientes são muito mais detalhados do que no original, embora pudessem ter sido mais lotados. Um PS5 lhe trará uma apresentação suave e sedosa de 4K / 60fps, mas jogar em um PS4 mais antigo reduzirá os visuais a meros 1080p / 30fps, o que, é claro, torna a experiência visual menos impressionante. Ainda assim, o jogo recebeu um ótimo facelift visual, pelo menos se você se concentrar em Zack, os personagens secundários mais importantes e os arredores. NPCs menores são, por outro lado, menos satisfatórios, já que a maioria deles tem rostos rígidos, olhos sem alma e alguns padrões de movimento peculiares, lembrando que este é um remaster de um jogo antigo. A folhagem também é bastante rígida e não reage nem ao vento nem aos movimentos de Zack, mas apesar desses pequenos problemas, este é um jogo onde o visual impressionará mais do que decepcionará.

Crisis Core: Final Fantasy VII - Reunion

É por isso que é triste ver que as sequências CGI pré-renderizadas, que foram os destaques visuais do jogo original em 2007, não receberam o mesmo tratamento. Pelo contrário, eles são agora as partes mais bonitas do jogo, já que nenhuma remasterização ou upscaling foi feito para melhorar nem a resolução nem os efeitos de iluminação. São momentos como esses que lembram o quanto de uma melhoria vimos no lado visual dos videogames nos últimos anos, especialmente quando se trata de iluminação e saturação de cores. A diferença é menos perceptível em um PS4 mais antigo sem suporte a HDR, mas ainda está lá. Considerando o óbvio amor e cuidado dado ao resto do jogo, é decepcionante ver a falta de cuidado com as cenas CGI pré-renderizadas.

Enquanto a dublagem japonesa é mantida mais ou menos intacta (e agora disponível fora do Japão sem a necessidade de importar o jogo), o áudio em inglês foi regravado com os novos dubladores que desempenham seus respectivos papéis em Final Fantasy VII: Remake. Isso nos concede uma dublagem superior ao original, o que também cria continuidade à interpretação moderna da saga. A música também foi melhorada e, embora possa não ser perceptível no início, você só precisa fazer uma comparação rápida da versão antiga e nova de uma faixa para notar grandes melhorias feitas na qualidade, harmonização e escolhas dos instrumentos.

Crisis Core: Final Fantasy VII - ReunionCrisis Core: Final Fantasy VII - Reunion

As melhorias positivas também chegam ao sistema de combate, agora ajustado para se adequar aos controladores modernos. No PSP você precisava trocar freneticamente entre as diferentes opções de combate usando os botões de ombro, mas agora você pode equipar diferentes Materia para cada botão em um bloco de jogo totalmente equipado. Botões dedicados para esquivar, bloquear e bater vêm gratuitamente, além da nova opção para cancelar os ataques mais fortes do inimigo se você se mover rápido o suficiente. Isso lhe dá um jogo com muita diversão e ação, embora o combate possa ser um pouco fácil para os jogadores veteranos se eles escolherem a dificuldade normal. Quanto ao muito debatido sistema Digital Mind Wave (DMW), este retorna praticamente sem alterações. O sistema concede bônus aleatórios para Zack durante o combate, e se você vai gostar ou não depende se você está incomodado por fatores aleatórios além do seu controle em uma luta. Os fãs têm discutido sobre o assunto por 15 anos, e agora eles provavelmente continuarão fazendo isso (até que Sephiroth nos sopre a todos em pedacinhos com uma Supernova).

Infelizmente, toda a diversão de lutar durante a história principal evapora rapidamente ao assumir uma missão secundária, que é a parte mais fraca do jogo, porque todas as missões secundárias são basicamente as mesmas. Depois de ler uma instrução rápida explicando por que você precisa ir e consertar algo, você é jogado em uma área genérica onde você deve vencer o monstro principal depois de encurralar alguns mobs no caminho. Essas missões curtas levam apenas alguns minutos cada e foram claramente projetadas para sessões curtas em execução enquanto jogam em um console portátil. Pode-se respeitar a Square Enix por manter a estrutura de missão original para manter a identidade do jogo, mas a menos que você esteja jogando em movimento no Switch, essas missões secundárias devem ser reduzidas ao mínimo para evitar perder toda a motivação. Pelo menos os tempos de carregamento agora são tão bons quanto os que se foram, o que significa que você pode fazer um monte de missões secundárias em tempo real, se você optar por fazer algumas.

Crisis Core: Final Fantasy VII - Reunion

Crisis Core: Final Fantasy VII - Reunion é um remaster que excede a maioria dos outros exemplos quando jogos antigos são recondicionados para novos consoles. Ele mantém a identidade e o núcleo do original, incluindo os aspectos negativos que não envelheceram tão bem, ao mesmo tempo em que oferece uma apresentação e mecânica de jogo que estão muito mais próximas dos padrões de hoje. As missões secundárias abissalmente maçantes e a falta de sequências CGI remasterizadas são um ponto negativo, mas quando o jogo entrega a mesma ótima história com melhor som, uma experiência visual suave e um sistema de combate cheio de ação, você não vai me ouvir reclamando.

08 Gamereactor Portugal
8 / 10
+
Esplêndida atualização audiovisual de um clássico antigo. Desempenho suave e sedoso em hardware de ponta. A grande história permanece intacta. Controles aprimorados. Praticamente sem tempos de carregamento.
-
As cutscenes CGI não foram remasterizadas e parecem piores do que o resto do jogo. Estrutura de missão chata e ultrapassada. Os NPCs não recebem o mesmo amor e cuidado que o elenco principal.
overall score
Esta é a média do GR para este jogo. Qual é a tua nota? A média é obtida através de todas as pontuações diferentes (repetidas não contam) da rede Gamereactor

Textos relacionados



A carregar o conteúdo seguinte