Cookie

O Gamereactor utiliza cookies para assegurar que lhe proporciona a melhor experiência possível no nosso site. Se continuar, vamos presumir que está satisfeito com a nossa política relativa a cookies.

Português
Gamereactor
antevisões
Splatoon

E3 2014: Splatoon

O shooter online da Wii U foi uma das surpresas da E3 e pode preencher o vazio do espaço competitivo da consola com originalidade.

HQ

Uma das maiores surpresas do Digital Event da Nintendo na E3 foi Splatoon, um shooter muito colorido dedicado ao espaço online, mas se o vissem noutro contexto, provavelmente pensariam que era o trabalho de alguma produtora independente. É um título muito peculiar, apesar de ser um shooter, e demonstra o tipo de originalidade normalmente encontrada nos Indies, ou em alguns projetos da Nintendo - que é o caso. Trata-se de um jogo que começou a ser produzido por produtores de Animal Crossing ao quais entretanto se juntaram membros das equipas de Star Fox 64 3D e Nintendo Land.

Splatoon segue a fórmula de sucesso da Nintendo: no núcleo, no que realmente importa, estão as mecânicas de jogo. Só depois disso funcionar, é adicionado o resto. É por isso sem grande surpresa que as nossas primeiras rondas com Splatoon são imediatamente divertidas e emocionantes, mesmo antes de começarmos a pensar em estratégias profundas ou formas de cooperação. Os controlos são fáceis de assimilar, como é regra na Nintendo, e o conceito é simples - cada jogador tem uma arma de tinta e a equipa que pintar mais chão da arena com as suas cores, ganha.

Splatoon

Os jogadores também alternar entre a forma humana e de um polvo instantaneamente, e na forma de polvo podem nadar rapidamente pelas tintas e recarregar a arma. Mas só podem nadar nas tintas da vossa equipa, assim que metem um tentáculo na tinta inimiga, regressam à forma humana e a velocidade é reduzida.

Splatoon é jogado com duas equipas de quatro jogadores. Podem disparar sobre os inimigos, o que os derruba, ou utilizar uma bomba especial de tinta que também danifica, mas isso usa muito mais tinta. Quando um jogador é derrubado reaparece na sua base, mas podem regressar rapidamente para perto de um colega carregando na sua localização no mapa do GamePad.

Estas são as mecânicas principais de Splatoon e é tudo o que precisam de saber sobre como funciona o jogo. Splatoon é um shooter, sem dúvida, mas acrescenta um tipo de cor e vida que era sinceramente necessária no género.

O nível que experimentámos era uma espécie de tubo gigante, com alguns esconderijos. Existem algumas paredes que podem pintar e por onde podem deslizar como polvo para chegar mais rápido a outras zonas do nível. Como está sempre alguém a disparar tinta, se encontrarem algo pintado com tinta inimiga, é porque um oponente deve estar perto. Podem pintar por cima, mas é sempre preciso cuidado perto de tinta inimiga. O interessante é que, inicialmente, vão pintar tudo e mais alguma coisa só porque sim, mas existe aqui potencial para várias táticas e trabalho de equipa.

Splatoon

O jogo pareceu pouco caótico, afinal de contas éramos oito jogadores num mapa que não era particularmente grande, embora também seja possível que a Nintendo tenha construído esta demonstração propositadamente para a E3. Mapas pequenos e intensos é o tipo de partidas que se devem mostrar num evento destes, mas acreditamos que vão existir outro tipo de mapas com mais oportunidades de jogabilidade e estratégia. Também acreditamos que vão existir mais modos de jogos e outros pormenores que desconhecemos, mas a equipa de produção não está a revelar mais nada de momento.

Assim, podemos comprovar que a jogabilidade é divertida e o conceito é muito promissor, além disso pode colmatar a ausência de jogos para o espaço competitivo online na consola. Se introduzirem mais ideias engraçadas e alimentarem o que parece ser uma base muito sólida, pode estar aqui um excelente exclusivo para Wii U.

Textos relacionados



A carregar o conteúdo seguinte