Cookie

O Gamereactor utiliza cookies para assegurar que lhe proporciona a melhor experiência possível no nosso site. Se continuar, vamos presumir que está satisfeito com a nossa política relativa a cookies.

Português
Gamereactor
antevisões
Forza Horizon 5

Forza Horizon 5: Cinco coisas que aprendemos com duas horas de jogo

Já experimentámos um dos grandes lançamentos da Microsoft para a época natalícia.

HQ
HQ

A Microsoft convidou-nos para passarmos duas horas com Forza Horizon 5, através de uma versão de jogo que embora ainda esteja a ser afinada, está já muito próxima do que os jogadores irão encontrar a 9 de novembro, em PC, Xbox One, e Xbox Series X|S. Foram duas horas em que explorámos o novo mundo de jogo, México, participando em eventos que encontrávamos, ou simplesmente apreciando a condução e a paisagem. Em baixo partilhamos consigo cinco coisas que aprendemos durante esse tempo que passámos com Forza Horizon 5.

1. É o jogo mais bonito de nova geração que jogámos até hoje

Forza Horizon 5 é um jogo lindo, com algumas das paisagens mais impressionantes que vimos num videojogo. Conduzir por esta recriação do México é uma experiência de levar o queixo ao chão, pelo menos na Xbox Series X, que foi onde jogámos. O moto de jogo ainda é o mesmo de Horizon 3 e 4, mas são evidentes as melhorias gráficas em relação a esses dois jogos. As texturas são de alta qualidade, a iluminação oferece grande realismo, e os reflexos são sublimes, com o sol a brilhar na chapa dos carros e nas poças. Depois temos a interação com o ambiente, através de um sistema avançado de partículas que recria interações com poeira, água, areia, e fumo. A sensação de velocidade é depois reforçada por um excelente efeito de distorção, enriquecido naturalmente pela jogabilidade a 60 frames por segundo. Tudo isto sem sacrificar a distância de visão, que permite ver durante quilómetros a fio sem aparente diminuição de detalhe. Como jogo de corridas, convém ser uma experiência de ritmo elevado, mas vai ser difícil não parar constantemente para apreciar a vista e tirar fotos.

HQ

2.Vai ser uma experiência similar às anteriores

Olhando para lá do grafismo estonteante, encontrámos uma experiência de jogo muito similar às outras de Forza Horizon. Estamos a falar da condução, do tipo de atividades, e da sensação geral do jogo, embora existam algumas novidades. O novo sistema de progressão baseia-se em desafios específicos que, depois de completados, permitem desbloquear mais conteúdo para encontrar no mundo de jogo, mas se jogou Forza Horizon 4, não terá problemas para se ajustar rapidamente a Forza Horizon 5. A inteligência artificial também nos pareceu conduzir de forma muito semelhante ao jogo anterior, o que significa que não é particularmente brilhante ou competitiva. A menos que o seu comportamento seja ajustado até ao lançamento, ou a IA melhore com o avançar do jogo, é bem possível que as corridas contra a IA se tornem algo aborrecidas com o tempo. Também ficámos algo desapontados com as personagens (embora a nossa seja mais personalizável que nunca), e com o sistema de repetições, que podia ter sido trabalhado para aproveitar melhor o novo grafismo deslumbrante.

3. Eventos dinâmicos e imprevisíveis

Um dos pontos que mudaram foi a forma como jogo introduz novos carros ao longo da campanha, mais dinâmica e orgânica, e é também evidente que a Playground Games quis ir um pouco mais longe em termos de ideias loucas para propor ao jogador. O primeiro evento, por exemplo, é "On a Wing and Prayer", em Teotihuacán. Aqui tivemos de fazer uma corrida contra um avião de carga - o que não é nada de extraordinário para Forza -, mas estava a ser estranho que estivéssemos em quarto numa corrida com apenas dois participantes. Bem, estávamos enganados, porque a certo ponto saltaram mais dois concorrentes do avião nas suas motas - e antes da corrida acabar largaram as suas motas e foram a planar até à linha com os seus wingsuits. Foi fantástico, e esperamos ver mais eventos memoráveis destes no jogo.

HQ

4. Modo de fotografia, mas inserido na jogabilidade

Os modos de fotografia estão na moda, e são muitos os jogadores que estão a expressar a sua criatividade através destas funções. Ora, acontece que em Forza Horizon 5 a fotografia está também inserida na jogabilidade. Numa missão, chamada Horizon Promo, não tivemos de vencer qualquer tipo de rival, mas antes conduzir para o meio de uma tremenda tempestade de areia com um jipe, e depois tentar tirar uma boa fotografia junto de uma estátua em ruínas. Foi um evento interessante, sobretudo para quem tem aderido à moda dos modos de fotografia, mas também precisamos de relatar alguma nesta situação. De forma geral, Forza Horizon 5 é um jogo de loadings extremamente rápidos na Xbox Series X, mas por algum motivo isso não se aplicou ao modo de fotografia, que a certo ponto precisou de 82 segundos para nos deixar sair para a jogabilidade regular. Algo de errado se passa com o modo de fotografia de Forza Horizon 5, e só esperamos que esse problema possa ser resolvido antes do lançamento.

5. É um mundo enorme, mas diversificado

Para os nossos últimos 20 minutos com o jogo decidimos conduzir de uma ponta à outra do "maior mundo alguma vez criado para Forza Hroizon", e isso foi uma experiência altamente satisfatória. Os diferentes tipos de ambientes e localizações, juntamente com o clima e as estações do ano, permitiram apreciar um mundo altamente realista, dinâmico, e variados. As estradas estão também mais preenchidas com trânsito, e depois de Austrália e Reino Unido, estamos contentes por termos voltado ao "lado certo" da estrada.

No geral, Forza Horizon 5 pareceu-nos um jogo altamente promissor. Não será nenhuma revolução, mas o misto de um grafismo espetacular, com um mundo de jogo e uma estrutura aparentemente mais dinâmicas e imprevisíveis, sugerem que passaremos muitas horas a conduzir pelo México. Nunca mais é 9 de novembro...

HQ
Forza Horizon 5Forza Horizon 5
Forza Horizon 5Forza Horizon 5Forza Horizon 5

Textos relacionados



A carregar o conteúdo seguinte