Cookie

O Gamereactor utiliza cookies para assegurar que lhe proporciona a melhor experiência possível no nosso site. Se continuar, vamos presumir que está satisfeito com a nossa política relativa a cookies.

Português
Gamereactor
antevisões
Sherlock Holmes Chapter One

Sherlock Holmes Chapter One - Últimas Impressões

Explorámos mais um pouco da aventura mais ambiciosa de Sherlock Holmes nos videojogos.

HQ
HQ

Na última década assistimos ao lançamento de vários títulos Sherlock Holmes produzidos pela Frogwares, mas para este "Chapter One" a abordagem é diferente. O estúdio pretende apresentar uma nova versão do detetive mais famoso do mundo, uma espécie de história de origem, que será em simultâneo o projeto mais ambicioso do estúdio até à data.

Esta é a segunda vez que jogámos Sherlock Holmes Chapter One (pode ler as nossas primeiras impressões aqui), e na altura escrevemos sobre o facto de Chapter One ser um jogo de corpo inteiro, e de se passar num mundo aberto, em vez de ter a estrutura linear típica da saga. Nesta segunda visita à ilha fictícia de Cordona ficámos ainda mais impressionados com o local, que é um misto de inspirações italianas e gregas. A ilha está dividida em cinco distritos de grande variedade, e embora não tenha a dimensão e o número de atividades que pode ver em jogos como os da Ubisoft, mostra grande vida e cor.

Sherlock Holmes Chapter One passa-se no final do século XIX, e Cordona apresenta-se como parte do Império Britânico, o que resulta em grandes contrastes culturais e políticos entre a sociedade. Os funcionários britânicos trabalham em confortáveis casas de tijolos, e desfrutam de bebidas fresquinhas em restaurantes à sombra, enquanto que a população local - um misto de raças de todo o mundo -, trabalham em minas, fábricas, e mercados lotados, para depois viver nas piores zonas da ilha.

Antes de conseguir ver tudo isto e o que Cordona tem para oferecer, terá de investigar um caso num luxurioso hotel. É uma forma do jogo apresentar mecânicas ao jogador num ritmo mais controlado e linear. Depois disso, contudo, irá investigar várias localizações distintas, como escavações arqueológicas e armazéns abandonados. Ã semelhança do Agente 47 em Hitman, Sherlock Holmes pode assumir diferentes disfarces - não para eliminar alvos, mas para se misturar melhor com o resto das personagens e conseguir melhores informações. Porém, vão existir situações em terá de ter uma abordagem mais direta.

O último jogo da Frowares tinha sido The Sinking City, e uma das grandes críticas a esse título foi ao sistema de combate. Por isso mesmo o estúdio garantiu que colocou o código de todo o combate desse jogo de lado e começou do zero. Em Sherlock Holmes Chapter One pode optar por uma abordagem letal ou não-letal, e embora a segunda opção seja preferível - até para manter boas relações com outras personagens -, também será mais difícil. Seja como for, terá acesso a armas, explosivos, armadilhas, e combate corpo-a-corpo, num sistema que nos parece muito mais dinâmico do que o que vimos em The Sinking City. O tempo também abranda quanto aponta, e destaca elementos do ambiente que pode usar a seu favor, reforçando a ideia de que Sherlock é alguém com muito mais atenção ao detalhe que a maioria. O jogador terá de saber usar o ambiente a seu favor, porque força bruta raramente será a solução para os confrontos.

Embora o combate seja muito mais dinâmico, e nos pareça uma excelente forma de intervalar a exploração e as investigações, continua a apresentar vários defeitos, incluindo ao nível da inteligência artificial dos inimigos, que é deplorável.

HQ

Como referimos em cima, Chapter One funciona como uma espécie de história de origem para Sherlock Holmes, e no início do jogo irá ganhar acesso à antiga mansão da sua família. Todos os móveis foram leiloados há algum tempo, mas felizmente parece que o resto da população não partilha do mesmo gosto para decoração, e a maioria dos itens continuam a venda. Por outras palavras, pode investir na aquisição dos móveis e itens da mansão para voltar a decorá-la. Não é nenhum Animal Crossing, mas pareceu-nos uma atividade secundária engraçada.

O mesmo pode ser dito de muitos dos objetos e marcos que poderá encontrar na ilha, que geralmente lembram Sherlock e Jon (pode ficar a saber mais sobre Jon na nossa antevisão anterior) de algumas façanhas e experiências passadas. Para refrescar as suas memórias, contudo, terá de realizar uma pequena investigação mental e reconstruir esses eventos. Existem várias outras missões secundárias, que segundo a Frogwares podem formar uma experiência de jogo a rondar as 40 horas. A Frogwares garante ainda que estas missões podem ser também elas bem longas e complexas, e que serão muito mais do que mero conteúdo para 'encher chouriço'.

Com um sistema de combate mais dinâmico, investigações sólidas, e um mundo aberto interessante, a Frogwares parece estar de facto pronta para apresentar um jogo de qualidade superior ao que vimos no passado, quer de Sherlock Holmes, quer de The Sinking City. Dito isto, é evidente que Chapter One não tem o mesmo orçamento ou qualidade que outros jogos semelhantes. O grafismo e em particular as animações não estão bem ao nível do que temos visto ultimamente, e também nos parece que alguns casos e investigações ainda têm de ser ajustados - ou correm o risco de se tornarem demasiado frustrantes.

A menos que algo mude até ao lançamento a 16 de novembro, não nos parece que Sherlock Holmes Chapter One venha a ser um dos destaques do ano, mas também não precisa de ser. Basta ser competente em certas áreas técnicas para deixar que o resto fale por si, nomeadamente em termos de história, exploração, e mistério. Se assim for, parece-nos que poderá ter argumentos suficientes para atrair fãs de aventura e investigação.

HQ
Sherlock Holmes Chapter OneSherlock Holmes Chapter One
Sherlock Holmes Chapter OneSherlock Holmes Chapter OneSherlock Holmes Chapter One
Sherlock Holmes Chapter OneSherlock Holmes Chapter OneSherlock Holmes Chapter One
Sherlock Holmes Chapter OneSherlock Holmes Chapter OneSherlock Holmes Chapter OneSherlock Holmes Chapter One

Textos relacionados



A carregar o conteúdo seguinte