Cookie

O Gamereactor utiliza cookies para assegurar que lhe proporciona a melhor experiência possível no nosso site. Se continuar, vamos presumir que está satisfeito com a nossa política relativa a cookies.

Português
Gamereactor
textos dos gadgets

Steam Deck - Análise

Analisámos a plataforma portátil de videojogos mais poderosa do mercado.

HQ

Embora a Nintendo Switch se tenha aproximado desse objetivo, e dispositivos que suportam cloud-gaming sejam uma boa alternativa, a verdade é que ainda não existe uma plataforma portátil capaz de proporcionar uma experiência de jogo moderna com níveis de produção AAA. Ou pelo menos, não existia, até o Steam Deck. Bem, ainda não estamos a falar de uma máquina equiparável às plataformas caseiras mais modernas, mas este dispositivo portátil da Valve é sem dúvida o que mais se aproxima desse sonho. É, pelo menos, um grande passo nessa direção, mas o seu sucesso estará dependente do apoio das produtoras.

O Steam Deck está disponível (disponível talvez seja uma palavra forte, considerando que é praticamente impossível conseguir uma neste momento) em três formatos: uma edição base com 64 GB de armazenamento eMMC (€ 419,99), uma edição com 256 GB de armazenamento NVMe (€ 549,99), e uma edição de 512 GB de armazenamento NVMe e um ecrã de vidro antirreflexo de alta qualidade (€ 679,99). A edição base com apenas 64 GB parece-nos francamente escassa, pelo que a edição de 256 GB é o mínimo a que deve pensar aderir, caso pretenda comprar uma edição do Steam Deck. Seja como for, o sistema de armazenamento do Steam Deck pode ser expandido com um cartão MicroSD.

De resto, as três edições partilham o mesmo hardware. Estamos a falar de um processador Zen 2 da AMD de 4c/8t, a 2.4-3.5GHz (até 448 GFlops FP32). A capacidade gráfica está entregue ao RDNA2 da AMD com 8 unidades de computação a 1.0-1.6GHz (até 1.6 TFlops FP32). Estas componentes vêm acompanhadas de 16 GB de RAM LPDDR5. É um conjunto impressionante de especificações técnicas, sobretudo considerando o tamanho do dispositivo.

Publicidade:
Steam Deck

Quanto ao exterior, inclui um ecrã IPS de sete polegadas, suporte para recarregamento da bateria via USB-C, WiFi 5, Bluetooth 5.0, uma bateria de 40Wh, e uma entrada jack para fones. A bateria terá uma duração média de 4 a 6 horas, embora dependa imenso do jogo que está a jogar. O ecrã suporta uma resolução de 1280x800 a 60 frames por segundo.

Em termos práticos, o Steam Deck consegue apresentar jogos modernos com uma qualidade gráfica entre o aceitável e o impressionante, a 60 frames por segundo ou a 30, dependendo do modo gráfico escolhido (60 frames consegue mais bateria). Por outras palavras, pode jogar títulos como Death Stranding, The Witcher 3: Wild Hunt, Cyberpunk 2077, Star Wars Jedi: Fallen Order, Doom Eternal, e Devil May Cry V, a 60 frames por segundo, num dispositivo portátil.

Mas uma das principais vantagens do Steam Deck é também um dos seus processos mais complicados, que é a compatibilidade e o suporte para comando. O objetivo passa por suportar o maior número possível de jogos no Steam, mas como deve calcular devido à quantidade de diferentes estilos de input e configurações gráficas que existem no PC, não é algo fácil. O SteamDeck utiliza o Linux como sistema operativo, mas suporta o Proton, que permite que jogos Windows corram no Linux. O Steam Deck tem a configuração típica de um comando, com um d-pad, dois analógicos, botões frontais, e os botões de ombro, mas não só. Também suporta controlos de movimento, inclui quatro botões traseiros adicionais, ecrã tátil, e dois painéis de toque frontais que simulam o movimento de um rato. Tudo isto ajustável em termos de funções e sensibilidade.

Publicidade:

Talvez não seja o formato ideal para alguns jogos, mas com estas configurações, o Steam Deck garante suporte para uma grande variedade de títulos, mas mesmo assim não tem a mesma acessibilidade que a Switch e consolas. Vários jogos exigem que o jogador ajuste os controlos e defina novas configurações de botões e funções até que tudo esteja a funcionar de forma razoável. Por outro lado, se um jogo já suportar comandos de raiz, a adaptação ao Steam Deck está muito facilitada.

O Steam Deck é também um dispositivo bastante robusto, com boa qualidade de construção, ainda que seja um aparelho algo pesado e grande, com dimensões de 298mm x 117mm x 49mm e 670 gramas de peso. Em comparação, a Switch OLED tem 242mm x 102mm x 13.9mm, com 398 gramas de peso. Não é definitivamente um brinquedo, e mesmo adultos terão de ajustar regularmente as suas mãos aos controlos. As colunas internas são bastante boas, e o Steam Deck demonstrou sempre boa capacidade de gestão de calor, mesmo durante sessões de jogo intensas com títulos como Cyberpunk 2077 e Baldur's Gate III.

Tendo os 60 frames por segundo como meta, conseguimos jogar os títulos modernos mais exigentes com definições gráficas baixo e médio. Jogar algo como Control com gráficos "baixos" pode parecer um pouco desapontante, mas é preciso ter em conta as dimensões do ecrã. É que num ecrã de 800p e de sete polegadas, Control com opções gráficas baixas mas a correr a 60 frames por segundo, não fica muito diferente de Control a correr nas plataformas caseiras modernas.

Steam DeckSteam Deck

A Valve já anunciou que está a trabalhar de perto com várias produtoras para garantir uma boa optimização ao Steam Deck, mas neste momento, ainda é frequente encontrar uma série de problemas. Por exemplo, o Steam Deck descarregou uma versão descontinuada de Rocket League para o Linux, Dead Cells deixou de funcionar depois de ter sido atualizado, e muitos jogos tiveram de ser configurados por nós em termos de controlos e gráficos. É verdade que o sistema Proton faz pequenos milagres, mas o Steam Deck vai precisar de um apoio maior por parte dos estúdios para alcançar o seu verdadeiro potencial. Se isso irá ou não acontecer, só o tempo o dirá.

Mas tudo considerado, é impressionante a forma como o Steam Deck consegue funcionar tão bem quanto funciona. A interface, baseada na versão Big Picture do Steam, corre de forma muito fluída e consistente, e apresenta todas as funções a que o Steam nos habituou, e que honestamente, envergonha o que as consolas apresentam - sobretudo a Nintendo Switch - em termos de interface e opções.

O Steam Deck é o dispositivo de jogos mais versátil e poderoso que já nos passou pelas mãos, uma pequena maravilha tecnológica, que faz um belo trabalho de adaptar o Steam e a sua biblioteca a este formato. Mas ainda restam muitas dúvidas, sobretudo em termos de compatibilidade futura, até porque o PC não vive apenas do Steam, e os jogadores querem naturalmente acesso aos jogos que têm noutras plataformas de PC. Em termos de potencial, o Steam Deck é brilhante, e mesmo como está, já é uma máquina impressionante com um rol de jogos invejável. Esperemos que continue a ser suportado pela Valve e pelos estúdios.

Steam DeckSteam Deck
Steam DeckSteam Deck
09 Gamereactor Portugal
9 / 10
+
Excelente qualidade de construção. Desempenho impressionante. É fantástico ter os jogos do Steam num dispositivo portátil.
-
O facto de ser um sistema operativo à base do Linux causa problemas de compatibilidade com alguns jogos. É um dispositivo de videojogos mais complexo que o habitual.
overall score
Esta é a média do GR para este jogo. Qual é a tua nota? A média é obtida através de todas as pontuações diferentes (repetidas não contam) da rede Gamereactor

Textos relacionados



A carregar o conteúdo seguinte