Gamereactor PT. Vejam os últimos trailers e entrevistas a partir das maiores convenções de videojogos de todo o mundo. O Gamereactor utiliza cookies para assegurar que lhe proporciona a melhor experiência possível no nosso site. Se continuar, vamos presumir que está satisfeito com a nossa política relativa a cookies.

LIVE
HQ
logo hd live | Inkulinati
See in hd icon

Chat

X
      😁 😂 😃 😄 😅 😆 😇 😈 😉 😊 😋 😌 😍 😏 😐 😑 😒 😓 😔 😕 😖 😗 😘 😙 😚 😛 😜 😝 😞 😟 😠 😡 😢 😣 😤 😥 😦 😧 😨 😩 😪 😫 😬 😭 😮 😯 😰 😱 😲 😳 😴 😵 😶 😷 😸 😹 😺 😻 😼 😽 😾 😿 🙀 🙁 🙂 🙃 🙄
      Português
      Gamereactor
      análises
      The Dark Pictures: The Devil in Me

      The Dark Pictures: The Devil in Me

      Apesar de tentar enriquecer a fórmula com novas mecânicas, a quarta parte da antologia de terror ainda sofre dos mesmos problemas que as anteriores.

      HQ

      Devo admitir que Supermassive Games são grandes contadores de histórias. A antologia Dark Pictures é a prova disso, e o fato de que ano após ano eles apresentaram uma nova parcela tão diferente em tema e personagens como eles têm sido, é motivo de elogios. Mas, da mesma forma, talvez devido a cronogramas de produção, ou talvez à falta de técnica ou recursos, os avanços técnicos na fórmula básica levam muito mais tempo para serem notados. Como observei em minha impressão final, O Diabo em Mim é mais The Dark Pictures, para o bem e para o mal. Mas "vamos quebrar isso aos poucos".

      The Dark Pictures: The Devil in Me

      Como já disse, The Dark Pictures é conhecida por tocar em todos os subgêneros de terror em seus jogos. De histórias de fantasmas e navios assombrados (Homem de Medan), magia negra, ocultismo e América profunda (Little Hope), a histórias de guerra e monstros (House of Ashes). O Diabo em Mim é um ponto discordante, não porque se afaste do gênero de histórias de terror, mas porque desta vez é baseado em fatos reais e documentados , como a história de H.H. Holmes, considerado o primeiro (e também o mais "prolífico") serial killer nos Estados Unidos. Diz-se que este indivíduo sanguinário matou mais de 200 pessoas no final do século 19 em todo o país. Uma figura que inspirou medo, bem como fascínio ao longo da história, e que inspira o grupo de personagens principais a embarcar na aventura.

      Jogamos como os membros da equipe da Lonnit Entertainment, uma pequena produtora no marasmo que está tentando salvar seus negócios filmando o episódio final de sua série de serial killers com H.H. Holmes. Um indivíduo misterioso, Charles Du'Met, os convida para passar o fim de semana em sua antiga casa em uma ilha da Costa Leste, onde ele aparentemente mora. O edifício é uma recriação bastante fiel do Castelo do Assassinato, um hotel que Holmes usou como cobertura para seus crimes, e que ele modificou para encher de armadilhas e instrumentos mortais para os hóspedes. Gravar o episódio lá pode fazer a diferença entre manter o emprego ou não, então todos concordam em participar do misterioso encontro.

      Publicidade:
      The Dark Pictures: The Devil in MeThe Dark Pictures: The Devil in Me

      Uma vez no hotel, eles gradualmente descobrem que o que parecia ser um fascínio misterioso se torna real, e o sangue e o assassinato começam a seguir um após o outro. Pouco a pouco, eles descobrem que este jogo mortal em que eles estão presos tem muitas camadas, e que foi meticulosamente preparado para eles. Se quisermos que nossos personagens sobrevivam à noite, teremos que fazer escolhas, o que pode levar a um efeito borboleta e desencadear vários resultados possíveis (e a maioria deles não é exatamente boa). Esta é a premissa na qual a série é baseada, e em O Diabo em Mim ela está igualmente presente. Eles também introduzem o fator das relações entre os personagens, e pretendem que seja uma variável importante na história, mas a verdade é que a maioria das decisões a respeito deles vem naturalmente, e exceto por alguns momentos críticos com cada um, não há necessidade de se preocupar muito com isso também.

      Mas a sobrevivência não se deve apenas aos nossos companheiros de equipe, pois também teremos que tomar a iniciativa e resolver quebra-cabeças, realizar eventos de tempo rápido (QTE) e obter todas as pistas que pudermos do ambiente. Mesmo a menor dica negligenciada pode significar que um membro da equipe vive ou morre, então vá devagar... desde que não haja um susto que o faça pendurado na luz do teto.

      The Dark Pictures: The Devil in MeThe Dark Pictures: The Devil in Me
      Publicidade:

      Um dos novos recursos que The Devil in Me introduz na série é a exploração vertical dos ambientes e o uso de objetos para alcançar lugares de outra forma inacessíveis. Eles são clássicos box-moving e quebra-cabeças de escalada, então se você já jogou The Last of Us ou qualquer Uncharted, você sabe como eles funcionam. Nenhum deles é particularmente difícil, e as vezes em que me senti um pouco preso foi porque não notei que a solução estava em uma lacuna na parede ou em um local que eu não tinha percebido que poderia escalar. Agora, as áreas pelas quais avançamos são maiores e, neste caso, mais complexas, já que os corredores e quartos do hotel se revezam à vontade de nosso misterioso sequestrador.

      Essa mudança de cenário também significa que estamos sempre no limite, à procura de quaisquer sobras ou luzes que pareçam mostrar o caminho. Não sabemos o que está por trás da porta ao lado, mas precisamos estar preparados, e é aí que entra a segunda grande adição ao título: o inventário de personagens. É muito básico, e só permite um máximo de quatro itens de cada vez, sendo um deles uma fonte de luz, como um isqueiro ou uma tocha. Outro dos espaços quase sempre será atribuído a uma chave que abre uma determinada porta na mesma área, e os outros variam de consumíveis temporários ao item de assinatura, como eu o chamei. Cada personagem tem um desses e eles são tremendamente úteis, como um cartão para forçar a abertura das gavetas, um bastão de selfie para alcançar objetos altos ou um multímetro para verificar a tensão e recuperar a corrente elétrica.

      Quando joguei a prévia, só pude desfrutar de uma pequena seção do jogo, e assumi que essas dinâmicas de quebra-cabeça e inventário teriam mais peso na trama. Mas agora que vi os créditos do jogo, sinto que nenhum deles é realmente explorado, e que eles têm menos peso do que deveriam ter na história. No final, eles acabaram sendo mais alguns momentos isolados do que uma nova reviravolta no loop do jogo, e estou um pouco desapontado.

      The Dark Pictures: The Devil in MeThe Dark Pictures: The Devil in MeThe Dark Pictures: The Devil in Me

      A história de O Diabo em Mim poderia facilmente ser a melhor das quatro que vimos até agora. A inspiração de sagas cinematográficas tão importantes como "Jogos Mortais" e a recriação de uma figura histórica real a diferenciam das anteriores (embora haja sempre o elemento sobrenatural, é claro). Mas mesmo uma grande história perde sua força se as capacidades técnicas não estiverem à altura . E há inúmeros erros na seção técnica: teletransporte e levitação de personagens, falhas de iluminação, o erro de não marcar um objeto pesquisado como desbloqueado (esse erro é mantido ao longo da série, ao que parece), sem mencionar o terrível perfil sonoro. Eu tentei jogar o jogo com as vozes originais em inglês e a localização em espanhol, e eu quase diria que é a primeira vez que eu descobri que uma dublagem de videogame é melhor do que o trabalho dos atores originais.

      E esses bugs não são os que foram corrigidos no patch do primeiro dia (embora alguns tenham sido marcados para isso), devo admitir que não notei nenhuma queda nos quadros ou no desempenho e que o jogo funciona perfeitamente tanto no PC quanto nos consoles, e que meu PC está começando a ficar um pouco desatualizado (um processador Intel i5 com um Nvidia 1070). Apenas no caso de alguns dos problemas que mencionei foram devido ao meu hardware, eu joguei simultaneamente com um PC e um console PlayStation 5, e os erros a que me refiro estavam presentes em ambos.

      Espero e oro para que a Supermassive Games continue a trabalhar para oferecer experiências tão imersivas e emocionantes quanto The Devil in Me. É claro que, quando se trata de narrativa visual, eles têm muito poucos rivais na indústria, mas talvez seja hora, agora que esta primeira temporada da antologia acabou, de deixar de lado o lançamento de parcelas anuais e sentar e considerar como corrigir os problemas que continuam se repetindo uma e outra vez. Porque no final, nem mesmo uma grande história, por melhor que seja, pode salvar uma jogabilidade medíocre .

      The Dark Pictures: The Devil in MeThe Dark Pictures: The Devil in MeThe Dark Pictures: The Devil in Me
      07 Gamereactor Portugal
      7 / 10
      +
      Cenários maiores. Novas ações e quebra-cabeças. O inventário traz uma certa estratégia e complexidade.
      -
      Falhas visuais. Os dubladores não estão à altura. Ele repete os contornos dos títulos anteriores. Novas mecânicas não são exploradas.
      overall score
      Esta é a média do GR para este jogo. Qual é a tua nota? A média é obtida através de todas as pontuações diferentes (repetidas não contam) da rede Gamereactor

      Textos relacionados

      0
      The Dark Pictures: The Devil in MeScore

      The Dark Pictures: The Devil in Me

      ANÁLISE. Escrito por Alberto Garrido

      Apesar de tentar enriquecer a fórmula com novas mecânicas, a quarta parte da antologia de terror ainda sofre dos mesmos problemas que as anteriores.



      A carregar o conteúdo seguinte