Português
Gamereactor
análises
The Invincible

The Invincible

Starward Industries apresenta sua versão do romance de Stanisław Lem de 1964.

HQ

Chegando no início desta semana para PC, PS5 e Xbox Series, estava The Invincible, uma aventura narrativa em primeira pessoa baseada no romance homônimo de 1964 do autor polonês Stanisław Lem. Adaptações de romances em videogames não são um fenômeno totalmente novo, com muitas de nossas franquias favoritas, como The Witcher, Metro e Assassin's Creed, tendo suas origens nas páginas dos livros, mas será que esta consegue furar o pouso?

HQ

Vou ser sincero e confessar que não li o romance em que The Invincible é baseado, mas ainda não achei que isso me tirasse o prazer da história. Aqui você joga como uma astrobióloga chamada Yasna, que parte em uma missão para encontrar seus tripulantes desaparecidos no mundo estéril e desolado de Regis III. À medida que você começa a descobrir o destino desses membros desaparecidos, um mistério mais amplo em torno do planeta e suas origens começa a se desvendar.

Sem entrar em muitos detalhes, achei a história bem cadenciada e houve muitas reviravoltas espalhadas por aí que me mantiveram viciado. As duas personagens principais, Yasna e Novic, também entregam performances carregadas emocionalmente, o que foi ótimo de ver, já que suas interações de ida e volta ocupam a maior parte do tempo de execução. Também achei The Invincible para não exagerar em suas boas-vindas também, já que ele marcava cerca de dez horas.

Publicidade:

Minha principal reclamação com a história de The Invincible é a ilusão de escolha que ela tenta injetar. Houve algumas vezes ao longo da minha jornada em que fui apresentado a um momento aparentemente crucial ou outro, apenas para descobrir que a escolha que fiz foi completamente inconsequente na direção da história. O mesmo, em menor medida, pode ser dito para as opções de diálogo. Ao responder ao Novic, você tem um punhado de opções para escolher, mas raramente parecia que as opções que escolhi realmente fizeram a diferença.

The InvincibleThe Invincible
The InvincibleThe Invincible

Passando para a jogabilidade e o título que eu mais compararia The Invincible neste departamento é Firewatch. Seu tempo é gasto principalmente caminhando pela superfície do planeta, resolvendo quebra-cabeças básicos e rastreando sua tripulação usando uma seleção de gadgets inspirados na ficção científica dos anos 60. Esses gadgets incluem um rastreador que permite rastrear o sinal dos membros de sua tripulação e uma máquina de raios-X que pode lhe dar uma visão da superfície do planeta.

Publicidade:

O que vou dizer é que se jogos como Firewatch ou What Remains of Edith Finch não fizeram isso por você no passado, este provavelmente não é um para você. A maior parte do jogo é gasta andando por um grande caminho linear e não há sequências de ação para quebrar as coisas. Pessoalmente, gostei de absorver os visuais lindos e ouvir o desenrolar das conversas cheias de pânico entre Yasna e Novic, mas sei que isso não vai agradar a todos.

Gostaria, no entanto, que houvesse um pouco mais de variedade para apimentar os momentos de ir do ponto A ao ponto B. Mais tarde na história, você recebe um rover e isso ajuda a acelerar e variar a travessia, mas a maior parte da sua jornada é passada a pé. Navegar pelo ambiente eu também não achei o mais tranquilo. Yasna não pode pular e você precisa procurar prompts no ambiente se quiser subir uma saliência ou descer. Esses prompts nem sempre são os mais fáceis de se envolver e a animação que os acompanha é dolorosamente longa.

The Invincible

Embora consiga contar uma história convincente, achei The Invincible um pouco confuso no geral. O jogo só oferece uma ilusão de escolha, com as decisões dos jogadores importando muito pouco e eu achei que atravessar seu mundo não tem nenhuma variedade real. Se você é fã do material de origem ou recebe um chute desses títulos focados na narrativa, este pode ser interessante, mas se você não se enquadrar nesses dois campos, eu recomendo dar uma olhada.

06 Gamereactor Portugal
6 / 10
+
Sua história é envolvente. Seu elenco entrega atuações sólidas. O visual é impressionante.
-
As escolhas carecem de consequências. Traversal carece de variedade e parece desajeitado.
overall score
Esta é a média do GR para este jogo. Qual é a tua nota? A média é obtida através de todas as pontuações diferentes (repetidas não contam) da rede Gamereactor

Textos relacionados

0
The InvincibleScore

The Invincible

ANÁLISE. Escrito por Kieran Harris

Starward Industries apresenta sua versão do romance de Stanisław Lem de 1964.



A carregar o conteúdo seguinte