Português
Gamereactor
Videos
A Crone's Yarn
HQ

A Crone's Yarn e a homenagem desenhada à mão de David Chico a Alice no País das Maravilhas

Um dos projetos mais marcantes no IndieDevDay em Barcelona foi este jogo de combate tático desenhado à mão ambientado em um mundo fantástico e surreal. Conversamos com seu desenvolvedor solo.

Audio transcriptions

"Muito bem, é o segundo dia do IndieDevDays em Barcelona e eu, como sabes, alguns de vocês sabem, sou um grande fã de Fire Emblem e dos jogos Stoic, Banner Saga, etc.
É por isso que é muito interessante para mim ver o A Crone's Yarn. Por isso, muito obrigado por te juntares a nós, David.
Obrigado a ti."

"Diz-nos, qual é o conceito principal do jogo? Depois entramos em sistemas e mecânicas mais profundos, mas qual é a ideia principal aqui?
Ok, então A Crone's Yarn é um jogo que tenta emular o tipo de narrativa que histórias como Alice no País das Maravilhas mostram com algum surrealismo, mas também tenta incorporar alguns dos elementos do Studio Ghibli, como histórias com muita natureza e muitos mundos vibrantes e personagens diversas que mostram um tipo de mundo realmente único, sabes?
E para que esse mundo fique bonito no ecrã, sei que vocês ainda estão no início, mas já está fantástico, tenho de o dizer."

"Muito obrigado a ti.
O que nos podes dizer sobre o trabalho artístico que esteve na base deste projeto?
Bem, o trabalho artístico é todo tradicional. A animação também é feita quadro a quadro, à mão. E, bem, é 2D, estilo isométrico, bastante vibrante e tenta emular um guache ou um estilo de pintura tradicional.
Então vamos falar da jogabilidade. Disseste-me ontem que é baseado em turnos, se não me engano."

"Tens razão.
E depois há algumas coisas muito especiais sobre as personagens e como as podes combinar e lidar com os inimigos, certo? Então, o que é que os jogadores vão fazer aqui?
Então, no RPG tático habitual, tens as tuas personagens que têm acções fixas que podem fazer.
Aqui tens personagens diferentes com baralhos diferentes que têm cartas, percebes?
Assim, as acções que as personagens podem realizar dependem e são aleatórias, mas também são únicas."

"Cada personagem tem o seu próprio estilo, as suas próprias capacidades, como algumas personagens de apoio ou outras mais vocacionadas para o combate.
Outros podem ser capazes de se mover mais rapidamente ou ultrapassar obstáculos.
E, sim, a principal variação do género é fornecer esse sistema de cartas que é bastante único e...
E isso é diferente das comparações que faço, que são Stoic e Fire Emblem."

"Mas, por exemplo, em Fire Emblem, estás a ter algum tipo de morte permanente para essas personagens?
Sim, há permadeath, mas o jogo também tem alguns elementos de rejogabilidade.
Por isso, quando morreres, o protagonista principal morre da história, terás de começar de novo e poderás recuperar essas personagens e tentarás tomar uma atitude diferente que possa levá-los a sobreviver."

"Fala-me um pouco mais sobre essa história. Acho que essa história junta tudo o que temos estado a falar.
As personagens, o mundo, a arte e o tipo de história com os inimigos e o...
Bem, aqui a história para mim é a parte mais essencial deste jogo, uma vez que é um conceito bastante profundo porque tens a história do mundo onde as personagens vivem e há também uma meta história acima das personagens onde a bruxa que está como que a controlar tudo..."

"Podes vê-la no cartaz atrás de nós.
Sim, ali está ela.
Ela está a olhar para o mundo e para as personagens e é ela que te traz de volta à vida quando morres.
Ela também te pode dar algumas cartas novas ou novas habilidades que podes usar."

"E sim, é isso que fornece um novo elemento de narrativa, uma vez que tens...
Duas camadas, certo?
Sim, há duas camadas.
Como a narrativa com as personagens do mundo, que está representada aqui no cartaz e a camada entre o protagonista principal, que é a criança no meio, e a bruxa que controla tudo."

"E depois, alerta de spoiler, acho que o JARN tem a ver com a forma como a bruxa se relaciona com as personagens do mundo?
Sim, através do JARN o título está relacionado com isso. Tens razão.
Fala-me um pouco mais sobre as acções que podes realizar no campo de batalha.
Suponho que esta não é a tua típica ação medieval de espada e feitiçaria."

"Então, o que nos podes dizer sobre as diferentes classes e com o que vais atacar, etc.?
Bem, aqui diria que estou a tentar dar-te alguma da singularidade da Alice no País das Maravilhas onde tudo é possível.
E há o garrote, há outros tipos de personagens."

"Como, por exemplo, aqui tens um bardo que, através de canções, pode aumentar as capacidades da tua personagem ou diminuir algumas das capacidades do teu inimigo.
Assim, a principal inspiração, obviamente, são os outros jogos do género para não reinventares a roda.
Mas tens muitas personagens."

"Como, por exemplo, há personagens Fungi que se podem mover nas plataformas onde te moves, modificando o ambiente.
E tudo é possível, sabes?
Muito bem, e começámos por dizer que és o criador solitário deste jogo."

"O que nos podes dizer sobre o teu passado? É o teu primeiro jogo?
E o que nos podes dizer sobre o estado do jogo?
Se não me engano, por agora era uma fatia vertical?
Sim, é um corte vertical."

"Bem, em primeiro lugar, eu sou um engenheiro informático.
Trabalho como freelancer há cerca de cinco anos.
E também como artista.
E eu também sou um artista, mas não tenho sido um artista profissional."

"Sempre o fiz sozinho e para mim.
Neste momento, este é o meu primeiro projeto comercial.
Claro que, desde criança, sempre experimentei motores e fiz coisas com videojogos.
E, bem, neste momento, estou a tentar procurar financiamento."

"Tenho uma fatia vertical, que mostra um pouco da mecânica do jogo e assim por diante.
E estou a trabalhar num pré-alfa que deve conter todo o âmbito do jogo, mas não na última fase.
Podes crer. Mais alguma coisa que gostasses de mencionar sobre o projeto, sobre as coisas muito especiais que puseste nele, para o fazeres sobressair, de que não tenhamos falado durante esta entrevista?
Sim, não me digas. Pergunta difícil, pergunta difícil."

"Bem, claro, é um projeto muito pessoal.
Dá, penso eu, a minha visão única sobre o género e também sobre o mundo que estou a criar.
Sabes, tentar dar algo de novo à mesa que não consegues encontrar em mais lado nenhum, certo?
É esse o meu principal objetivo."

"Mas, obviamente, o que eu quero é criar um mundo no qual as pessoas possam mergulhar e passem um bom bocado a explorar as personagens e a apaixonarem-se por elas e assim por diante.
Estou ansioso por saber mais sobre o jogo.
Boa sorte com o projeto, com a publicação, etc."

"Espero ver-te daqui a uns anos com isto a ser publicado e que vocês também o apreciem.
Portanto, boa sorte e muito obrigado, David.
Muito obrigado a ti."

Entrevistas

Mais

Videos

Mais

Trailers de filmes

Mais

Trailers

Mais

Eventos

Mais